fbpx

Aneurismas Periféricos e Aneurisma da Aorta Abdominal

Aneurisma é uma dilatação anormal da parede de um vaso. Este anormal crescimento pode causar problemas como ruptura, trombose e/ou embolia (quando se desprende um coágulo).

Quase todos os vasos podem ser acometidos, mas as artérias mais acometidas são a aorta abdominal, ilíacas, femorais e poplítea. Uma história clínica cuidadosa e um criterioso exame físico são muito importantes. Uma ultrassonografia, conjuntamente com tomografia computadorizada e ou ressonância magnética podem determinar detalhes anatômicos do Aneurisma da Aorta Abdominal.

O risco de complicações do aneurisma deve ser confrontado com o risco da cirurgia. Nos pequenos aneurismas ( menores de 5,5 centímetros), o risco cirúrgico é usualmente maior que o risco do tratamento clínico. A ultrassonografia deve ser repetida a cada 6 meses para detectar o grau de aumento do aneurisma. Nos pacientes com aneurisma da aorta abdominal (AAA) grandes ( maiores que 5,5 cm), o risco cirúrgico é usualmente menor ao tratamento clínico, devendo assim a cirurgia ser realizada. O risco de uma correção cirúrgica eletiva de pacientes portadores de AAA varia obviamente de indivíduo para indivíduo, ficando entre 3 e 7% de complicações maiores.

As cirurgias de emergência apresentam taxa de mortalidade operatória de no mínimo 50%, sendo que muitos pacientes, infelizmente, morrem antes do procedimento cirúrgico. A cirurgia convencional para correção do AAA foi realizada primeiramente na década de 50. É um procedimento cirúrgico muito realizado, testado com resultados a longo prazo excelentes. A correção endovascular foi primeiramente realizada na década de 90, e tem como vantagens menores incisões e uma recuperação mais rápida. Infelizmente nem todos os aneurismas podem ser corrigidos por esta técnica, e os resultados a longo prazo ainda estão sendo estudados.

Perguntas Frequentes